Quase 1000 anos em festa!  
     

A história do Luso começa antes da fundação de Portugal. De facto o documento mais antigo de que temos conhecimento, de 1064, referencia o Mosteiro da Vacariça (o principal proprietário rural desta região na época) como estando meia légua a poente de Luso. A forma usada foi a palavra "Lusum" que é uma declinação do verbo "Ludos" e que significa local de actividades lúdicas ou, ... local de diversão. É curioso que quase 1000 anos depois ainda seja verdade.

 
     
 
É uma conclusão histórica que o ser humano tende a referenciar "coisas" relativamente a marcos topográficos conhecidos como cumes de montanha ou nascentes abundantes como as de Luso. A ausência de ruínas dessa época, apesar das diversas escavações e construções feitas ao longo dos anos, parece indicar que o Luso não existiria como terra, mas apenas como um local onde haveria uma igreja ou capela onde os habitantes dos vales próximos fariam festas e romarias (?) ou simplesmente se divertiam na nascente de água quente.
 
Assim, é senso comum que a palavra "Luso" sinónimo de "Português" (que tem a sua origem em "Lusitânia" e "Luso" filho do deus romano "Baco"), nada tem a ver como "nosso" “Luso” – "local de diversão".
     
Os tempos parecem ter mesmo sido negros durante a Idade Média, já que não há qualquer informação até ao censo do Séc XVII, altura em que o Luso é já descrito como uma terra com igreja e habitantes. Na altura, a actividade principal da população era o trabalho em moinhos de água, impulsionados pela abundância local da água.

No início do Século XIX, começaram a surgir notícias sobre o poder curativo da água termal o que deu a faisca inicial para o negócio termal até hoje.

.
 
     

 

Além da nascente do complexo termal, há ainda o ex-libris da vila: a sua abundante nascente pública. A fonte de S. João Evangelista, construída em data incerta, foi sempre o centro da vila devido à abundância e excelência das suas águas, em especial durante os meses de Verão. Na altura, perante a inexistência de bicas, a população enchia os cântaros simplesmente mergulhando-os dentro do tanque de água, através de umas escadas visíveis nesta foto, do lado direito da capela de S. João Evangelista.

     

Lavadeiras, águadeiros, e também Burriqueiros (habitantes locais que alugavam os seus burros aos turistas - a expressão passou a designar os naturais do Luso até aos nossos dias), davam luz e cor ao espaço.

 

     
 

Na década de 1920, vários melhoramentos foram introduzidos no local: o tanque foi aumentado e foram introduzidas onze bicas que facilitavam o enchimento dos cântaros. Alguns dizem que as onze bicas derivam do facto de "Evangelista" ter onze letras, mas o facto é que ninguém sabe ao certo.

Perto da nascente, vários reservatórios foram feitos para as águas pluviais que eram depois encaminhadas para os campos e moinhos.

     
Em 1955, por ordem da Câmara Municipal da Mealhada e por razões de saúde pública, a fonte foi coberta com uma estrutura de vidro, que mantinha a água a salvo de impurezas sem impedir a visualização da nascente. Um sistema de abastecimento público de água foi igualmente criado na altura.
 
     
  Em 1986 devido à hipossalinidade da água, os tanques estavam com graves problemas de impermeabilidade. Este facto forçou à remodelação e reestruturação da fonte de modo a garantir a qualidade da água bem como a modernização do espaço.
     
De gosto estético muito discutível, um novo trabalho de remodelação orientado pelo Arquitecto Sidónio Pardal foi feito em 2009, de modo a tentar integrar a fonte nos trabalhos de reestruturação da Avenida Navarro. Ignorando os gostos estéticos da humanidade, a Fonte de S. João continua a fazer o seu trabalho milenar de fornecer abundantemente água ao Luso e a toda a região.